15 4 / 2014

12 4 / 2014

06 4 / 2014

26 3 / 2014

22 3 / 2014

Como definir ‘Frozen’?
Hmm … Digamos que vai além de chamar alguém pra brincar na neve e fazer um boneco de neve. É algo mágico, que só acontece uma vez na eternidade. Vai além de um conto de fadas, onde rainha e princesa são irmãs, e que príncipe não precisa ser encantado; basta ser um entregador de gelo. O amor abre portas para um mundo novo, onde estar livre é mais do que uma condição, é um estado de espírito. Ah, e claro, as renas podem ser melhores do que pessoas! Mostra que um ato de amor verdadeiro nem sempre é um beijo, mas pode ser capaz de descongelar um coração congelado, da mesma forma que um boneco de neve feliz pode sim se bronzear no verão! E quem disse que não? Mas é claro: às vezes o medo e a insegurança nos remetem ao isolamento, e não dá para ouvir alguém ou abrir uma porta. Mas o que importa é que, no final das contas, tudo pode ser reparado com um toque de amor.

Como definir ‘Frozen’?

Hmm … Digamos que vai além de chamar alguém pra brincar na neve e fazer um boneco de neve. É algo mágico, que só acontece uma vez na eternidade. Vai além de um conto de fadas, onde rainha e princesa são irmãs, e que príncipe não precisa ser encantado; basta ser um entregador de gelo. O amor abre portas para um mundo novo, onde estar livre é mais do que uma condição, é um estado de espírito. Ah, e claro, as renas podem ser melhores do que pessoas! Mostra que um ato de amor verdadeiro nem sempre é um beijo, mas pode ser capaz de descongelar um coração congelado, da mesma forma que um boneco de neve feliz pode sim se bronzear no verão! E quem disse que não? Mas é claro: às vezes o medo e a insegurança nos remetem ao isolamento, e não dá para ouvir alguém ou abrir uma porta. Mas o que importa é que, no final das contas, tudo pode ser reparado com um toque de amor.

16 3 / 2014

O frio não vai mesmo me incomodar ♪

O frio não vai mesmo me incomodar ♪

16 3 / 2014

11 3 / 2014

Valentine’s Day 2015

Valentine’s Day 2015

01 2 / 2014

Ontem a TV brasileira se emocionou com o final da novela global “Amor à Vida”: além do desfecho final incrível dos personagens, o momento mais aguardado era, de fato, o primeiro beijo entre homens a ser exibido em um canal aberto. Claro, muitos duvidaram que este momento chegaria, mas chegou: a cena foi recebida com lágrimas, aplausos e muito sentimento por todos os telespectadores (claro, teve aqueles ‘conservadores’ que não gostaram).
Para a comunidade LGBT brasileira, é um marco na luta em busca de valorização, respeito e solidariedade, e isso foi demonstrado e selado com um beijo. Sim, um simples e singelo BEIJO, quem é a demonstração mais pura e sincera de amor e carinho que pode haver entre duas pessoas.
Demorou? Demorou, mas este foi apenas o pontapé inicial que mostra que o AMOR (principalmente nesta novela quem tem amor até nome) é capaz de chegar e de ser sentido por qualquer ser humano, seja ele autista, soropositivo, muçulmano (e qualquer outra nacionalidade/religião), obesos, inférteis (pessoas que não podem gerar filhos), idosos, idades e classes sociais diferentes e, claro, gays.

Ontem a TV brasileira se emocionou com o final da novela global “Amor à Vida”: além do desfecho final incrível dos personagens, o momento mais aguardado era, de fato, o primeiro beijo entre homens a ser exibido em um canal aberto. Claro, muitos duvidaram que este momento chegaria, mas chegou: a cena foi recebida com lágrimas, aplausos e muito sentimento por todos os telespectadores (claro, teve aqueles ‘conservadores’ que não gostaram).

Para a comunidade LGBT brasileira, é um marco na luta em busca de valorização, respeito e solidariedade, e isso foi demonstrado e selado com um beijo. Sim, um simples e singelo BEIJO, quem é a demonstração mais pura e sincera de amor e carinho que pode haver entre duas pessoas.

Demorou? Demorou, mas este foi apenas o pontapé inicial que mostra que o AMOR (principalmente nesta novela quem tem amor até nome) é capaz de chegar e de ser sentido por qualquer ser humano, seja ele autista, soropositivo, muçulmano (e qualquer outra nacionalidade/religião), obesos, inférteis (pessoas que não podem gerar filhos), idosos, idades e classes sociais diferentes e, claro, gays.

31 1 / 2014

31 1 / 2014

Galerinha, tô avisando aqui que alterei o nome e o link do meu tumblr: agora é cinco-do2.tumblr.com, e antes era one-world-many-stories.tumblr.com.

Por quê a mudança? Para facilitar a minha identificação nas minhas edições (simples, mas MINHAS!). Ah, e o nome também foi alterado: agora é the (un)forgettable.: é singelo, mas marcante ;)

Então, vou continuar aqui com as postagens e tudo mais. Nos vemos na próxima?

Beijos!

30 1 / 2014

If you make that break for freedom, what have you done today to make you feel proud?

If you make that break for freedom, what have you done today to make you feel proud?

27 1 / 2014

2h30, 27 de Janeiro de 2013, Domingo, Santa Maria/RS, Rua dos Andradas, 1925.
Uma casa noturna, como outra qualquer boate brasileira. Seu nome? Boate Kiss.
Jovens estavam no local para assistirem à apresentação de uma banda famosa na região. Seu nome? Gurizada Fandagueira.
Era uma noite com mais gente do que o normal, organizada por estudantes da universidade local. O nome da festa? “Agromerados”.
Isso parece o roteiro de uma história comum de jovens que se divertem nas noitadas, mas foi esta noite, a exatos 365 dias, que um artefato usado pelo vocalista da tal banda, um artefato tão pequeno e aparentemente tão comum, destruiu a vida de 242 famílias naquela noite e nos meses que se seguiram.
Uma correria, o instinto humano clamando por sobrevivência no meio de todo aquele fumacê repleto de cianeto, uma toxina liberada pela queima da espuma que revestia a acústica da boate.
Gritaria, desespero, socorros … tudo foi clamado por jovens que tentaram sair, mas se enganaram ao confundirem o banheiro com a saída.
Imprudência? Falta de sinalização? Irregularidades? E a culpa é de quem?
Gente, foram 242 futuros pais, mães, médicos, advogadas, engenheiros, agrônomos, empresários, dentistas, analistas perdidos por causa de um simples artefato? Por quê?!
Famílias foram destruídas com a perda de filhos e filhas, sobrinhos e sobrinhas, primos e primas. Sim, houve sobreviventes. Mas é uma ferida que aquela cidade no interior do Rio Grande do Sul (e o nosso país) que nunca vai ser curada.

Pelas 242 vidas. Pelas famílias destruídas. Pelo luto.
Pela garra e vontade dos sobreviventes de continuarem suas vidas, mas com uma marca que nunca vai passar.

"Se cada voz que calar, uma outra voz canta forte. O sentimento já diz o bastante. Quem sabe um dia o carinho e o olhar nos conforte." ♪

2h30, 27 de Janeiro de 2013, Domingo, Santa Maria/RS, Rua dos Andradas, 1925.

Uma casa noturna, como outra qualquer boate brasileira. Seu nome? Boate Kiss.

Jovens estavam no local para assistirem à apresentação de uma banda famosa na região. Seu nome? Gurizada Fandagueira.

Era uma noite com mais gente do que o normal, organizada por estudantes da universidade local. O nome da festa? “Agromerados”.

Isso parece o roteiro de uma história comum de jovens que se divertem nas noitadas, mas foi esta noite, a exatos 365 dias, que um artefato usado pelo vocalista da tal banda, um artefato tão pequeno e aparentemente tão comum, destruiu a vida de 242 famílias naquela noite e nos meses que se seguiram.

Uma correria, o instinto humano clamando por sobrevivência no meio de todo aquele fumacê repleto de cianeto, uma toxina liberada pela queima da espuma que revestia a acústica da boate.

Gritaria, desespero, socorros … tudo foi clamado por jovens que tentaram sair, mas se enganaram ao confundirem o banheiro com a saída.

Imprudência? Falta de sinalização? Irregularidades? E a culpa é de quem?

Gente, foram 242 futuros pais, mães, médicos, advogadas, engenheiros, agrônomos, empresários, dentistas, analistas perdidos por causa de um simples artefato? Por quê?!

Famílias foram destruídas com a perda de filhos e filhas, sobrinhos e sobrinhas, primos e primas. Sim, houve sobreviventes. Mas é uma ferida que aquela cidade no interior do Rio Grande do Sul (e o nosso país) que nunca vai ser curada.

Pelas 242 vidas. Pelas famílias destruídas. Pelo luto.

Pela garra e vontade dos sobreviventes de continuarem suas vidas, mas com uma marca que nunca vai passar.

"Se cada voz que calar, uma outra voz canta forte. O sentimento já diz o bastante. Quem sabe um dia o carinho e o olhar nos conforte." ♪

31 12 / 2013

31 12 / 2013

Looking …

Looking …